segunda-feira, 11 de junho de 2012

INEXISTÊNCIA DE ARTIGO EM LATIM LITERÁRIO

O ARTIGO, aquela palavra que antecede e determina um substantivo caracterizando seu valor definido (o, a, os, as) ou indefinido (um, uma, uns, umas), não foi usado na língua latina literária, embora o grego o conhecesse. Quintiliano, em suas Instit. Orat. I,4,19, diz que 'Noster sermo articulos non desiderat', 'o nosso idioma não sente falta dos artigos'. Entretanto, no latim arcaico, mais precisamente no tempo de Plauto (230-180 a.C.), o latim vulgar - sermo vulgaris - usava o numeral unus, una com sentido indefinido, e os demonstrativos iste, ipse e sobretudo ille (illa, illud) com sentido definido, ou seja, tanto o numeral quanto os demonstrativos são os protótipos dos nossos artigos um, uma, e ele, ela, mais tarde reduzidos a lo, la, donde saíram as formas o, a.

Isso mostra o quanto o latim vulgar já se servia dos mesmos processos analíticos e das mesmas perífrases que hoje diferenciam as línguas românicas do latim clássico, este latim que gostava de expressar as ideias sinteticamente por meio de uma única palavra.

Para exemplificar, Plauto deixou: "Lepida... una mulier", "uma encantadora mulher". Nos escritores da decadência, como Petrônio, encontra-se: "unus servus", "um escravo", assim como no latim da bíblia Itala: "accessit ad eum una ancilla", "uma serva dirigiu-se até ele".

Paulo Barbosa

2 comentários:

  1. Excelente artigo! Também literalmente hahahahaha. Muito bom! Estive procurando uma explicação como esta por muitos meses! Obrigadíssimo!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado. Em 2016 iniciaremos um Curso de Latim no Rio de Janeiro. Divulgue.

    ResponderExcluir